Análise de Risco

Tendo em consideração os elevados custos (materiais e humanos) associados aos elevados índices de sinistralidade com frotas, a PRP desenvolveu um serviço que possibilitará às entidades caracterizarem a situação atual da instituição face à segurança rodoviária, gerando uma ferramenta que reúne toda a informação necessária ao planeamento de uma intervenção que vise a diminuição da sinistralidade e a gravidade das suas consequências.

 

A análise de risco possibilita:
  • Identificar os fatores que contribuem para os acidentes bem como os comportamentos de risco;
  • Definir a parte do risco que é possível controlar;
  • Determinar as características e as circunstâncias dos acidentes.
Contempla:
  • Análise de risco na instituição através da recolha sistemática de informação relativa à sinistralidade;
  • Recomendações e aconselhamentos em gestão operacional e de recursos humanos.

Como não é possível combater de forma eficaz aquilo que não se conhece bem, este serviço, apoiado numa complexa ferramenta informática, permite com que as entidades identifiquem e compreendam, no seu caso específico, os riscos associados à circulação rodoviária, bem como encontrem soluções capazes de os minimizar.

Após o diagnóstico a entidade analisada, terá disponível a informação necessária à implementação de um plano de intervenção, através da formação adequada e de um bom enquadramento de gestão, proporcionando melhores condições para a redução significativa da sinistralidade.

Em colaboração com a gestão e tendo em conta a sinistralidade verificada, a gestão operacional e os custos envolvidos, a análise de risco envolve dois tipos de avaliação, uma quantitativa e outra qualitativa.

A análise de risco poderá ser realizada em qualquer momento, sempre que a sinistralidade seja elevada ou com tendência a aumentar, após cada grande reestruturação que envolva a frota, ou periodicamente segundo padrões a definir em cada caso (não inferior a 6 meses nem superior a 24 meses).

A importância do desenvolvimento desta análise de risco ser efectuada por uma entidade externa, especializada na área, justifica-se pelo Know-How adquirido ao longo dos anos, pela sistematização da recolha, tratamento e análise de dados, bem como por uma maior fiabilidade do dados recolhidos, uma vez que se elimina o fator inibidor da hierarquia.