Os modos de viagem ativos, como caminhar e andar de bicicleta,  são agora reconhecidos por muitos como verdadeiras alternativas a outros modos de transporte urbano. Um dos vários benefícios destes modos de viagem ativos é o pouco espaço que exigem comparativamente a outros veículos.

Alguns estudos estimam que as cidades europeias atribuem 1/5 do seu espaço ao transporte e cerca de metade desse espaço aos automóveis. Em cidades onde o espaço livre disponível é cada vez mais reduzido, optar por modos de transporte que exijam menos espaço pode ajudar a combater esse problema.

Outro benefício que ganha cada vez mais terreno é a conscientização do impacto no meio ambiente. As emissões de carbono por pessoa relacionadas ao transporte na Europa são cerca do dobro da média global e, apesar dos maiores esforços de redução, as emissões dos transporte, em média, permaneceram basicamente as mesmas na última década.

Em contraste com os carros elétricos, que permanecem em grande parte movidos a energia de combustíveis fósseis, os modos de transporte são basicamente neutros em carbono. Ao comparar as emissões de dióxido de carbono do ciclo de vida de cada modo de transporte, levando em consideração o carbono gerado pelas várias fases de vida: fabricação, abastecimento e abate, vários estudos sugerem que as emissões por quilómetro são pelo menos 30 vezes inferiores entre andar de bicicleta e conduzir um automóvel movido a combustível fóssil, e cerca de 10 vezes menor do que conduzir um veículo elétrico.

Mas e o impacto na saúde dos modos ativos e as consequências da poluição do ar?

Em primeiro lugar, a OMS estima que a inatividade física cause cerca de um milhão de mortes a cada ano apenas na Região Europeia. O uso de modos ativos pode melhorar a saúde física e mental, tanto a curto quanto a longo prazo. Este impacto positivo supera os danos a longo prazo da poluição do ar. Infelizmente, a poluição do ar ainda pode ter efeitos a curto prazo, como o agravamento da asma e de outros problemas respiratórios. É, portanto essencial que os peritos projetem uma rede de peões e ciclovias separada fisicamente do tráfego pesado.

A pesquisa mostrou que os projetos de zonas especialmente destinadas a peões e ciclistas ​​​​resultam num ambiente mais seguro para todos os utentes de transporte, graças à velocidade de circulação mais reduzida. Portanto, publicações como esta da Organização Mundial da Saúde são essenciais para apoiar as cidades a enriquecer o seu portfólio de medidas possíveis.

Leia o relatório